Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

“Chove chuva, chove sem parar”

Por Jair Henderson

 

Após semana com muita chuva, o final de semana do Brasiliense não poderia ser diferente.

Em todo o Distrito Federal as chuvas são intensas e com isso a atenção fica redobrada para aquele que está dirigindo, no início da pandemia a quantidade de veículos nas ruas era pouco, mas com a volta de algumas atividades, as pessoas estão voltando ao “normal”, e o cada dia vemos mais carros nas ruas.

Com as fortes chuvas a velocidade dos ventos podem variar entre 60km/h e 100km/h, com isso é importante tanto a atenção quanto a manutenção no veículo, isso faz com que a possibilidade de ficar “no prego” diminua. Há anos que a malha viária do DF não sofria nenhum tipo de concerto.

O Governador Ibaneis Rocha(MDB) em menos de 2 anos de mandato resolveu o problema de alguma locais que sofriam com buracos na via como:

  • Entrada do Recanto das Emas
    Pista do frente a PCDF e entrada do parque da cidade
    Via de ligação ao aeroporto
    Trecho entre a DF-430 e DF-220, em Brazlândia
    Candangolândia, tapa-buracos na QR 1-A
    Núcleo Bandeirante, recapeamento da ponte da Avenida Metropolitana
    Epig
    Entre outros locais

O Governo do Distrito Federal está cada vez mais empenhado em solucionar o problema da malha viária da capital, além das obras acima citada, podemos destacar a construção do túnel de Taguatinga que está em obras e a construção dos viadutos do Recanto da Emas e Riacho Fundo I que logo mais começaram a ser erguidos.

O que fazer para se proteger em caso de chuvas fortes

Em casa

Ao primeiro sinal de chuva forte, deixe móveis e eletrodomésticos fora do alcance da água.
Desligue equipamentos elétricos e eletrônicos, feche o registro do gás e da água;
Guarde os produtos de limpeza e alimentos fora do alcance das águas e não os utilize caso tenham sido atingido;
Mantenha um membro da família atento e vigilante ao nível de subida das águas, mesmo à noite;
Tenha sempre lanternas e pilhas em condições de uso. Não use velas, lamparinas a álcool ou similares;
Acompanhe o noticiário local pelo rádio e fique atento às mensagens de esclarecimento ou alarmes;
Feche portas e janelas da casa ainda que seja necessário o abandono para evitar a entrada de escombros e de animais peçonhentos;
Se houver muita infiltração na casa e acontecer rachaduras nas paredes ou escutar algum barulho estranho, abandone sua residência;
Transmita alarme aos vizinhos em caso de súbita elevação das águas;
Não use telefone (o sem fio pode ser usado);
Não fique próximo a tomadas, canos, janelas e portas metálicas;
Não toque em equipamentos elétricos que estejam ligados à rede elétrica;
E o mais importante: mantenha a CALMA para que possa tomar as providências necessárias. O pânico só piora a sua situação e de quem está a sua volta.

Na Rua

Evite, ao máximo, estar em áreas alagadas. Terrenos acidentados, buracos e bueiros abertos, assim como fiação elétrica exposta podem causar acidentes graves. Se não houver alternativa, sigas as orientações;
Ao encontrar-se em ruas alagadas, procure se proteger o máximo possível para evitar o contato com a água. Use calçados ou improvise, com sacos plásticos, proteção para as pernas;
Ande junto a muros e paredes, preferencialmente seguro por cordas ou sendo auxiliado por outras pessoas. A força das águas em locais inclinados é incontrolável;
As águas de enchentes são pesadas e violentas e oferecem grande risco de contaminação.
Mesmo que você saiba nadar bem, não se arrisque em travessias ou brincadeiras;
Evite cruzar pontes onde o nível do rio subiu;
Não se abrigue embaixo de árvores e se mantenha distante de postes;
Não se aproxime de cercas de arame, varais metálicos, linhas aéreas e trilhos;
Não se abrigue debaixo de árvores isoladas;
Não tome água ou coma alimentos que estavam em contato com as águas da inundação;

Dentro de carros

Ao primeiro sinal de chuva forte, evite sair de casa. Não corra riscos desnecessários. No entanto, se já estiver no trânsito, fique atento;
Aos primeiros sinais de alagamento procure áreas elevadas para estacionar e aguarde o nível da água baixar;
Ande devagar, aumente a distância do veículo da frente e não feche os cruzamentos;
Sintonize seu rádio no noticiário local e procure informações sobre as áreas alagadas;
Não pare o carro próximo a árvores ou postes;
Evite áreas alagadas. As poças podem esconder crateras. Se for inevitável, ao atravessá-las, mantenha aceleração contínua em primeira. Em hipótese alguma a água pode entrar pelo cano de descarga;
Aguarde que o carro que esteja a sua frente transponha a área alagada para, em seguida, proceder a sua travessia;
Não fique próximo a caminhões ou ônibus. Veículos de grande porte provocam marolas que podem alagar o seu carro e fazer com que perca o controle da direção;
Se o nível da água atingir o batente inferior da porta é hora de abandonar o veículo. Com água acima das rodas, o carro começa a boiar e fica sem controle. Se alcançar as janelas, ocorre o bloqueio das portas, impedindo a saída e, pior, dificultando o resgate;

Fonte: Doa a Quem Doer