Discurso do Presidente de Honra da ABBP

155

“Senhores deputados, autoridades, sócios e amigos desta associação.

Só é necessário acrescentar mais tempo em uma missão quando ela não é cumprida por completo, ou seja, nas metas que foram almejadas, mas não alcançadas. Quando todas são conquistadas, não existe mais nenhum motivo para que o tempo seja prorrogado. Sendo assim, após mais de dois anos de intenso trabalho na Diretoria Executiva, dou por encerrada a minha passagem pelo órgão executor da Associação.

Minha gestão à frente da ABBP enfrentou um cenário bastante adverso. Com a doença do nosso primeiro diretor-presidente, o professor Chico, a Associação passou sete meses em inatividade parcial, não executando todas as suas atividades, como forma de respeito ao seu padecimento. Com a sua morte, recebi uma entidade fragilizada emocionalmente, adepta da informalidade e com alguns desligamentos. A pergunta era: e agora, a ABBP vai acabar? Apesar de todas as dificuldades, ela não fechou as portas. Pelo contrário, se organizou e se fortaleceu institucionalmente.

Nossa primeira ação foi dar aos participantes informais do grupo da ABBP no aplicativo WhatsApp, o direito de serem sócios. Quando assumimos a Associação, só os fundadores eram sócios e poderiam participar de eleições, votar e serem votados, de acordo com o estatuto e com a legislação vigente, tendo em vista que os blogueiros que nos acompanhavam não tinham ainda preenchido e assinado a ficha de ingresso, documento comprobatório e válido juridicamente de que foram aprovados pelo Conselho de Ética e pela Diretoria a entrarem na entidade.

A segunda ação foi se preocupar com a conduta jornalística e o relacionamento entre os associados. Compreendendo que uma instituição de comunicação só avança quando exerce o bom jornalismo, e através do respeito mútuo entre os indivíduos que a compõe, a Presidência lançou o Código de Ética da ABBP, um regulamento de grande importância para a entidade. O regulamento dá o embasamento necessário para que o Conselho de Ética possa manifestar-se quando algum associado ferir a ética jornalística, colocando em risco, por conseguinte, a imagem da Associação, ou mesmo quando determinado sócio se sentir ofendido ou difamado por outro colega.

A terceira ação foi resguardar os direitos coletivos e individuais da ABBP e de seus associados, criando o Departamento Jurídico, órgão responsável por defender a Associação em juízo ou fora dele, e prestar amparo jurídico aos sócios que se sentirem perseguidos por autoridades ou forem processados injustamente.

A quarta ação foi dar identidade física à ABBP. Nenhuma associação consegue ir adiante como instituição somente por meio de um grupo de WhatsApp, sem ter uma sede, um local físico que possa identificá-la, para que ela transmita credibilidade institucional às classes política e jornalística. Por meio de parceria, a ABBP enfim conseguiu obter e inaugurar a sua tão sonhada sede, que leva o nome de “Sede Professor Francisco de Paula Lima Júnior”, o que a fortaleceu como instituição da sociedade civil.

A quinta ação foi retomar os encontros institucionais e políticos da Associação, após um hiato de 8 meses, criando o projeto “Sabatina Política da ABBP”, onde cada associado formula perguntas aos entrevistados. Uma espécie de “Roda Viva”, com um mediador e os blogueiros fazendo perguntas, ao contrário de antes, quando o entrevistado que ditava as regras do encontro. Em 2016 e no início deste ano, a ABBP se reuniu com várias autoridades notórias. Mesmo nos encontros em que participaram outras associações e movimentos, a Associação se sobressaiu pelo maior número de participantes.

A sexta ação foi promover a gestão de pessoas, desburocratizando os encontros internos, sem a formalidade que acaba engessando os relacionamentos interpessoais, dando um tom mais descontraído, fortalecendo vínculos e promovendo um ambiente agradável entre os associados.

A sétima ação foi reformar o estatuto social. O nosso antigo estatuto era genérico e abria brechas para várias interpretações, sem muita clareza e definições. O novo regulamento prevê com mais nitidez a atuação da Diretoria e dos Conselhos, assim como os direitos e deveres dos associados.

A oitava ação foi planejar o “ABBP nas universidades”, um projeto do Prof. Chico. É a única frustração que vou ter ao deixar a Presidência, porque não consegui implementá-lo a tempo. No entanto, criamos no estatuto a Diretoria de Relações Públicas, a qual será ocupada pelo renomado jornalista Edgar Lisboa, que ficará responsável, a partir deste mês, por levar a Associação aos alunos de jornalismo e ciências políticas, incentivando-os a criarem seus blogs e, posteriormente, serem sócios da ABBP. Além disso, essa diretoria vai trabalhar para promover a capacitação e qualificação dos blogueiros associados por meio de cursos, palestras, seminários etc.

A nona e última ação foi dar o pontapé inicial para o relançamento do site da ABBP. Em 2015, projetamos e lançamos um portal que não deu muito certo na prática. Agora, com a cooperação de todos, inclusive de membros da nova diretoria, relançaremos o site muito em breve, tendo sido a atual gestão a responsável pela concepção e início do processo de reformulação.

No processo de construção de uma Instituição, cada etapa é fundamental para que a obra persista durante os anos. Atropelar etapas para se chegar logo onde almeja é um risco imenso, já que, na primeira tempestade, a construção pode ruir. Por isso, não escolhemos trilhar o caminho mais fácil, mas o das pedras, que pode até demorar a levar ao topo, porém, é o meio mais seguro, que traz credibilidade.

Se um dia nossa gestão for lembrada, gostaria que a principal recordação não fosse nenhum dos feitos que foram mencionados, mas sim, o comprometimento, acima de tudo, com a sobrevivência e o futuro da Associação, e não apenas com seu cotidiano. Sede e outras conquistas tinham que ser alcançadas e pronto. Já os ideais, perduram e influenciam.

Se o professor Chico sonhava ver-me como seu sucessor, digo que eu sempre tive vontade de que o blogueiro Sandro Gianelli me sucedesse na Presidência, por causa da determinação, da ousadia, da criatividade e do comprometimento com as causas da ABBP. Trago à memória o que ele disse na primeira reunião de criação da Instituição, em novembro de 2014: “Não quero fazer parte de uma associação, mas da Associação”. Não tenho dúvidas de que mais avanços acontecerão até o fim de seu mandato, pois, com as bases erguidas pela atual diretoria, onde você foi Vice-Presidente, e, também, com a sua capacidade, o caminho natural não será outro.

Temos um diferencial como grupo: não cedemos à vaidade e passamos na primeira etapa do espinhoso teste do tempo, após 2 anos de existência, sendo a entidade que mais agrega blogueiros que fazem a cobertura política em diversos segmentos da sociedade brasiliense e do entorno.

Finalizo deixando o meu muito obrigado a todos que contribuíram e acreditaram neste projeto. Ninguém faz nada sozinho.

Viva a nova diretoria! Viva os novos conselhos! Viva a ABBP!

Fred Lima
Presidente de Honra da ABBP”.